/ Artigos / A verdadeira propriedade

Tamanho da letra

06/04/2016 às 00:00
A verdadeira propriedade
Juliana Fernandes - Grupo Espírita Luz no Lar

O que vem a sua mente quando pensa na palavra propriedade? Seria dinheiro, casa, carro, carreira profissional? Tais propriedades conquistadas nos servem de apoio quando encarnados, mas e depois que partimos para o plano espiritual? O que deixar e o que levar?

Sabemos que em um planeta de provas e expiações, como a Terra, existem provas que devemos enfrentar e estas envolvem os bens materiais. Atualmente existe uma desigualdade social considerável, o que nos faz perguntar: por que uns com tanto e outros com tão pouco?

Allan Kardec faz essa pergunta em "O Livro dos Espíritos", na questão 814: Por que Deus deu a uns riquezas e poder e a outros a miséria?

Em resposta: Para experimentá-los de modos diferentes. Além disso, como sabeis, essas provas foram escolhidas pelos próprios Espíritos, que nelas, entretanto, sucumbem com frequência.

A Doutrina Espírita tendo como uma de suas bases à reencarnação, entendemos que provocamos tais reações com nossos sentimentos e atitudes, visto que não há uma prova mais difícil que a outra, conforme a questão 815 de "O Livro dos Espíritos": A miséria provoca as queixas contra a Providência, a riqueza incita a todos os excessos.

As misérias e as riquezas são paralelas às necessidades do aprendiz. A cruz que se carrega na vida, foi estruturada, medida e pesada, para que se possa caminhar com coragem.

No livro "O Evangelho Segundo o Espiritismo" capítulo XVI item 9 diz que "O homem não possui como seu senão aquilo que pode levar deste mundo", isso significa dizer que dos bens materiais que conquistamos levamos as experiências vividas e estas podem ser boas ou ruins, isso irá depender de como lidamos com a ambição, o orgulho, o egoísmo, o ciúme e todos os sentimentos que ainda nos dificultam estar em paz.

Atentamos para o ensinamento de Jesus: "Não ajunteis tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem tudo consomem, mas ajuntai tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem consomem, porque onde estiver o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração".

Ninguém pode tirar de você as alegrias que experimenta na vida. A felicidade não é deste mundo, mas temos momentos felizes. E isso depende também de nós. É isso que levamos para o céu. É esse o nosso maior tesouro.

Essa é a nossa verdadeira propriedade.



Compartilhe


Comentários
Deixe seu comentário
Pesquise no site: